Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/04/19 às 18h19 - Atualizado em 11/04/19 às 13h04

SOS DF Segurança apresenta resultados positivos em cem dias

COMPARTILHAR

 

Adriana Machado e João Roberto, da Ascom – SSP/DF

 

 

O Governador Ibaneis Rocha apresentou nesta quarta (10), o balanço dos cem dias de ações e entregas envolvendo todas as áreas do governo. Na segurança pública, ele apresentou os resultados de um conjunto de medidas de impacto por meio do SOS DF Segurança. As ações integradas, entre as forças de segurança e outros órgãos de governo, foram realizadas para resgatar a sensação de segurança da sociedade.

 

“Entre as prioridades para a Segurança Pública, vamos priorizar a nomeação de aprovados em concursos públicos e ações com uso de tecnologia, que vai nos auxiliar na redução da criminalidade. Já temos estudos para a compra de drones e aumento do número de câmeras, por exemplo”, destacou o governador.

 

Os seis principais Crimes Contra o Patrimônio (CCPs), monitorados de forma prioritária pela SSP/DF, marcaram queda nos primeiros três meses de 2019. O roubo em comércio obteve a maior redução, de 39,9%, de 504 para 303 ocorrências em todo o DF. No roubo em transporte coletivo houve 25,7% de redução. O furto em veículo e os roubos a residência, de veículo e a pedestre caíram 24,4%, 24,5%, 23,3% e 13,2%, respetivamente.

 

Para o secretário de Segurança Pública, o delegado federal Anderson Torres, os dados são bastante positivos. “Conseguimos melhorar ainda mais os números nos primeiros cem dias de governo. Tivemos uma redução significativa, principalmente nos crimes contra o patrimônio, o que aumenta a sensação de segurança da população”,

 

Nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), que unem o homicídio, o latrocínio e a lesão corporal seguida de morte, houve redução de 13,2% nos registros no primeiro trimestre. As ocorrências de homicídio, por exemplo, caíram 11,9%, de 109 casos, nos três primeiros meses do ano passado, para 96 este ano. É o menor índice dos últimos cinco anos.

 

“Conseguimos alcançar os objetivos propostos para este período e honrar os compromissos de campanha do governador Ibaneis Rocha. Reabrimos delegacias, criamos o serviço voluntário da Polícia Civil e aumentamos o valor do serviço voluntário da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Foram dias de muito trabalho e de muito esforço de toda a equipe e das forças de segurança”, ponderou o secretário.

 

Operações integradas

 

Já no dia dois de janeiro, o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, coordenou, pessoalmente, o início da “Operação Prioridade”, que desde então já ocorreu em dezessete regiões administrativas. As ações envolveram o reforço de cento e cinquenta policiais militares em atuação ostensiva, com base nos índices de criminalidade, produzidas pela Secretaria de Segurança Pública do DF – SSP/DF.

 

Depois vieram outras operações, como a “Cidade Segura”, com foco em áreas críticas, e a “Perímetro Seguro”, com o combate da possível entrada de drogas e contrabando por meio das rodovias que circundam o DF.

 

O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil realizaram operações de caráter preventivo, de socorro e assistenciais, com o objetivo de evitar ou minimizar acidentes e desastres naturais. Os bombeiros atuaram em operações contra incêndios e, junto à Secretaria de Saúde, participou diretamente no combate ao mosquito da Dengue.

 

A Defesa Civil por sua vez, realizou vistorias em boates e casas de shows, em estruturas e instalações elétricas durante o carnaval e em outros eventos, sobretudo os com grande concentração de público. Na prevenção a desastres, o órgão elaborou o plano de emergência da Barragem do Paranoá, além de realizar o monitoramento constante das áreas de risco em todo o Distrito Federal.

 

Reforço no efetivo

 

Uma medida importante alcançada pelo Governo do Distrito Federal foi a aprovação da lei que instituiu a gratificação de serviço voluntário para policiais que se proponham a trabalhar no período de folga, e a criação de cargos para que policiais aposentados voltem à ativa. Isso permitiu que catorze, das quinze Delegacias de Polícia Civil – que estavam funcionando das 9 horas às 19 horas – passassem a funcionar em tempo integral.  A última se encontra em reforma e logo será reativada.

 

O SOS DF Segurança foi reforçado com a assinatura do Decreto nº 39.627, no dia 11 de janeiro, pelo governador que aumentou a gratificação por serviço voluntário de policiais militares de R$ 300 para R$ 400. O serviço é prestado durante o período de folga. A medida reforçou o efetivo operacional nas ruas do Distrito Federal, e viabilizou a realização das diversas operações das forças de segurança coordenadas pela SSP/DF.

 

Gestão compartilhada

 

O início do ano letivo na rede pública marcou também a implantação do modelo de gestão compartilhada de ensino. Os primeiros a receberem o novo modelo de gestão foram os centros educacionais (CED) 1 – na Estrutural, 3 – em Sobradinho, 308 – no Recanto das Emas e 7 – em Ceilândia.

 

Policiais e bombeiros militares ficaram responsáveis pelos aspectos disciplinares, administrativos e das atividades de contraturno – como oferta de aulas de música, esporte, xadrez e aulas de ética e cidadania. A parte pedagógica ficou sob a responsabilidade da Secretaria de Educação.

 

A SSP/DF, por meio da Subsecretaria de Prevenção à Criminalidade (SUPREC), deu início a uma série de oficinas de arte e cultura para alunos das escolas de gestão compartilhada. Aulas de fotografia, pintura, ilustração, cinema estão ocorrendo em três escolas, faltando iniciar apenas a de cinema, na Estrutural.

 

Feminicídios

 

Para auxiliar na implementação de políticas públicas e prevenção de crimes, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) apresentou, no final de fevereiro, levantamento inédito de dados sobre o perfil dos crimes de feminicídio no Distrito Federal. As informações poderão ser acessadas em tempo real pela pasta, por meio da ferramenta de cruzamento de dados – Business Intelligence (BI).

 

O estudo, iniciado em janeiro, analisou em detalhes e de forma individual, todos os 68 casos registrados, do inquérito até a decisão judicial. Desde o início da lei, 18 agressores foram condenados no DF.

 

O levantamento mostra, por exemplo, que só 27,9% das vítimas já haviam registrado ocorrência de violência doméstica contra o autor. Ou seja, em 72,1% dos casos não havia comunicado anterior de violência entre vítima e autor. O estudo constatou, também, que 58,8% dos casos o motivo do crime foi brigas conjugais e ciúmes. Em 48,5% das mortes o meio utilizado foi arma branca.

 

Com o objetivo de ampliar a rede de segurança à mulher, a SSP/DF elaborou, neste ano, projeto que prevê a utilização de um novo dispositivo pela vítima. Este novo formato permite uma monitoração dinâmica, com uma área de proteção móvel da vítima (Tira dúvidas). Após determinação judicial, o agressor deverá respeitar a distância mínima necessária da vítima, independentemente de onde ela esteja e não somente em locais específicos, como casa e local de trabalho.

 

Edição: Lanna Morais