Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/05/19 às 14h01 - Atualizado em 20/05/19 às 17h02

ūüďČCrimes contra a vida caem 13,5% no primeiro quadrimestre

COMPARTILHAR

Jo√£o Roberto, da Ascom – SSP/DF

 

O n√ļmero de v√≠timas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) teve queda de 13,5% nos primeiros quatro meses deste ano, de acordo com levantamento feito pela Secretaria de¬†Seguran√ßa¬†P√ļblica do Distrito Federal (SSP/DF).¬† Os CVLIs incluem homic√≠dio, feminic√≠dio, latroc√≠nio e les√£o corporal seguida de morte. Os resultados positivos refletem as diversas medidas de¬†seguran√ßa¬†lan√ßadas desde o primeiro dia da atual gest√£o do Governo do Distrito Federal.

 

Os homic√≠dios, por exemplo, ca√≠ram de 164, em 2018, para 144, no comparativo dos primeiros quatro meses do ano, queda de 12,2%. No m√™s de abril houve redu√ß√£o de 7,7% neste tipo de crime, de 39 para 36 casos. √Č o menor n√ļmero de v√≠timas, no per√≠odo, desde o ano de 2006. Cabe destacar que, em abril de 2019, n√£o houve registros de latroc√≠nio e de les√£o corporal seguida de morte no DF. √Č o menor n√ļmero de casos do m√™s de abril do crime de latroc√≠nio desde 2000.

 

Todos os seis Crimes Contra o Patrim√īnio (CCPs), monitorados de forma priorit√°ria pela SSP/DF, marcaram queda nos primeiros quatro meses de 2019. O roubo em com√©rcio obteve a maior redu√ß√£o,¬† 36,5%. Em todo o DF passou¬† de 669 para 425 ocorr√™ncias. No roubo em transporte coletivo houve 27,6% de redu√ß√£o. O furto em ve√≠culo e os roubos a resid√™ncia, de ve√≠culo e a pedestre, ca√≠ram 21,2%, 23,2%, 21,8% e 12,8%, respectivamente.

 

Na comparação de abril deste ano com abril do ano passado, houve redução em todos os CCPs. O roubo em transporte coletivo foi o tipo criminal de maior redução, com 33,7%, passando de 175 ocorrências, em 2018, para 116 em 2019. Em seguida vem os roubos a comércio (-26,7%), em residência (-19,6%), de veículo (-18%), a transeunte (-15,7%) e o furto em veículo, com 19,7% de queda.

 

Desde que assumiu a SSP/DF, em janeiro, o secret√°rio de¬†seguran√ßa, Anderson Torres, estabeleceu como meta resgatar a sensa√ß√£o de¬†seguran√ßa¬†da popula√ß√£o. ‚ÄúNossa prioridade, desde o in√≠cio, √© baixar os √≠ndices criminais, sobretudo os cometidos contra os mais vulner√°veis, como jovens e mulheres v√≠timas de viol√™ncia dom√©stica.¬† Com a ajuda da sociedade e com o trabalho integrado das for√ßas de¬†seguran√ßa, acredito que os crimes v√£o, cada vez mais, deixar de acontecer‚ÄĚ, destacou.

 

O n√ļmero de ocorr√™ncias de estupro diminuiu, no acumulado do ano, 24,2% em compara√ß√£o ao mesmo per√≠odo do ano passado. De 236 para 179 registros, contabilizando 57 casos a menos. Sobre dados relativos √† produtividade policial, foram registradas, de janeiro a abril, 912 ocorr√™ncias de tr√°fico de drogas e 346 de posse/porte ilegal de arma de fogo.

 

Feminicídios

 

De acordo com estudo elaborado pela Subsecretaria de Gest√£o da Informa√ß√£o (SGI), vinculada √† SSP/DF, os n√ļmeros de feminic√≠dio permaneceram est√°veis no m√™s de abril e tamb√©m no primeiro quadrimestre deste ano. No m√™s passado foram registrados dois casos, o mesmo n√ļmero em igual do ano passado. Nos quatro primeiros meses de 2019 e de 2018, dez ocorr√™ncias em cada ano.

 

O estudo revelou ainda que, no quadrimestre deste ano, em 100% dos casos a agress√£o aconteceu na resid√™ncia da v√≠tima. Sobre a rela√ß√£o entre autor e v√≠tima, em 67% dos crimes o agressor era c√īnjuge e, em 11%, namorado da v√≠tima. Foi levantado ainda que 40% das mulheres v√≠timas tinham mais de 50 anos de idade, 30% tinham entre 30 e 50 anos e, outras 30%, de 18 a 29 anos.

 

A SSP/DF implantou a C√Ęmara T√©cnica de Monitoramento de Homic√≠dios e Feminic√≠dios (CTMHF), com a finalidade de elaborar diagn√≥sticos criminal e criminol√≥gico dos delitos consumados e tentados no DF. O corpo t√©cnico tamb√©m √© respons√°vel pela defini√ß√£o e adequa√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas para cada regi√£o administrativa, a fim de otimizar medidas repressivas, bem como nortear as a√ß√Ķes de natureza preventiva.