Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/03/19 às 11h46 - Atualizado em 11/03/19 às 12h37

Cai participação das mulheres em acidentes com morte

COMPARTILHAR

 

 

Por Zélia Ferreira, do Detran/DF

 

Atualmente, há 684.761 mulheres habilitadas no Distrito Federal, representando 39% do total de condutores registrados na autarquia. Apesar de ser uma parcela significativa do universo de condutores habilitados, dados estatísticos apontam que, quando estão ao volante, a participação delas em ocorrências com morte é bem menor que dos homens: em 2017, elas representaram 13% dos condutores envolvidos em acidentes fatais, e em 2018 este número caiu para 6,6%.

 

Enquanto a participação de condutores do sexo masculino em acidentes fatais cresceu 8%, passando de 301 (em 2017) para 328 homens (em 2018), o número de condutores do sexo feminino reduziu quase pela metade, passando de 49 mulheres (em 2017) para 25 mulheres (em 2018).

 

Na verdade, a mulher sempre representou uma parcela minoritária entre os condutores envolvidos em acidentes fatais, mas esse percentual vinha aumentando nos últimos anos e, agora, voltou a reduzir, como mostra a tabela a seguir:

 

 

 

Mulheres mortas

O levantamento feito pela Gerência de Estatística do Detran mostra, ainda, que as mulheres também representam a minoria entre as vítimas de acidente nas vias do DF. Das 280 pessoas que perderam a vida no trânsito em 2018, 42 eram do sexo feminino (15%) e 238 do sexo masculino (85%). Em 2017, esse número tinha sido maior: das 254 mortes, 47 eram mulheres (18,5%) e 207 homens (81,5%).

 

Em comparação com 2017, o número de mulheres mortas em acidente de trânsito diminuiu de 20 para 19 pedestres (redução de 5%) e de 10 para 6 condutoras (redução de 40%), mas manteve o mesmo número entre as passageiras – 17 mulheres mortas em 2017 e em 2018. Por isso, as equipes de fiscalização e de educação aproveitam o Dia Internacional da Mulher para parabenizá-las e também lembrá-las do quão importante é que elas estejam cada vez mais conscientes do seu papel para aumentar a segurança no trânsito, tanto de si mesmas como daqueles a quem elas transportam em seus veículos.